Frontpage Slideshow (version 2.0.0) - Copyright © 2006-2008 by JoomlaWorks
Cresce número de italianos que procuram eutanásia na Suíça PDF Imprimir E-mail

EutanásiaO número de italianos que procuram a prática da eutanásia e do suicídio assistido em associações e centros de saúde na Suíça tem sofrido um grande aumento.


"Os italianos buscam uma morte doce", afirmou Emilio Coveri, presidente da associação Exit Italia, entidade que promove o direito a uma "morte digna". "Recebemos de 70 a 90 chamadas por semana", acrescentou.   

Na Suíça, há quatros associações que fazem esse serviço: Lifecircle-Eternal Spirit, em Basileia, Exit International, em Berna, Dignitas, em Zurique, e Exit Itália, no cantão de Ticino, de língua italiana. Para solicitar eutanásia ou o suicídio assistido na Suíça, os pacientes devem apresentar registros sobre seu estado de saúde para que o pedido seja avaliado por uma junta médica local.   

Geralmente, as pessoas que decidem colocar um fim à própria vida sofrem de doença incurável, algo que provoca um grande sofrimento físico e emocional. Entretanto, a Suíça faz uma seleção rigorosa dos doentes: somente 10% das demandas são analisadas, e a metade destas, aceita. "São escolhas muito delicadas e pessoais que podem mudar com o tempo, mas o importante é ter a possibilidade de escolha", afirmou Coveri.   

A prática é utilizada para abreviar a vida de doentes de maneira controlada e pode ser dividida em dois grupos: a "eutanásia ativa", quando são utilizados injeção letal ou medicamentos em dose excessiva, e a "eutanásia passiva", quando a morte ocorre por falta de recursos para manutenção das funções vitais, como água, alimentos, remédios ou cuidados médicos.   

A morte por eutanásia é proibida em vários países ao redor do mundo, inclusive na Itália. O Parlamento da península discute atualmente um projeto de lei para legalizar a prática no país, mas o texto caminha a passos lentos. A proposta prevê que os médicos terão de respeitar a vontade do paciente, caso se trate de um maior de idade com "capacidade de discernimento".   

A Igreja Católica, no entanto, diz "não" à eutanásia. Em um apelo, o presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), cardeal Angelo Bagnasco, afirmou que "é preciso abraçar a vida em todas as suas fases".   

Em entrevista à ANSA, ele disse que "a vida é sagrada, e a Igreja está dolorida e preocupada" por causa da morte do menino belga, em referência à primeira eutanásia em um menor de idade, ocorrida no último domingo (18), na Bélgica.   

O papa Francisco também já criticou essa prática diversas vezes e afirmou que ela gera uma "falsa compaixão". "A vida humana é sempre sagrada e de qualidade. Fiquem atentos: fazer experimentos com vidas, brincar com vidas, é um pecado contra Deus, o Criador", ressaltou o Pontífice.   

Já na Holanda, 4 mil pessoas pedem a eutanásia por ano, e cerca de 1,5 mil concluem o procedimento. Na Suíça, existem 400 casos anualmente, mas a maioria com estrangeiros. Por sua vez, França e Espanha proíbem a eutanásia ativa, e a passiva só pode ser praticada com autorização médica.   

Em países como Reino Unido, Irlanda, Grécia e Romênia, a técnica é crime passível de punição, com penas que chegam a 14 anos de prisão. (Ansa)

AddThis Social Bookmark Button
 
Translation by Google
Menu Principal
Principal
Colunistas - Expediente
Cantores Italianos
Catolicismo Romano
Curiosidades/Arquivo
Gramática Italiana
Geografia da Itália
Hino da Itália
Dicas Culturais
Festival di San Remo
Folclore Italiano
História da Itália
Entrevistas
Letras de Músicas
Notícias
Previdência Italiana
Receitas Italianas
Turismo na Itália
Blog do Botto
Botto Giuseppe Lanificio
Barilla
IL BIELLESE
Enquete
Qual assunto você gostaria que fosse abordado com mais profundidade pela Rádio Italiana?
 
Pesquisar
RSS Feed