Papa Francisco celebra Missa de Ramos, no Vaticano PDF Imprimir E-mail

Perante as mais de 50 mil pessoas que foram à Praça São Pedro para celebrar o Domingo de Ramos, o papa Francisco afirmou que Jesus Cristo não é um “profeta new age”, mas que tem a fisionomia de “um servo de Deus”.   

A celebração de Ramos lembra a chegada de Jesus Cristo à cidade de Jerusalém onde, dias mais tarde, ele seria morto e crucificado. A data é uma das mais importantes das celebrações da Páscoa para os católicos.   

“Esse Jesus, que segundo as Escrituras entrou na cidade santa, não é um ilusionista que faz mágicas, um profeta ‘new age’, um vendedor de fumo. É um messias bem determinado, com a fisionomia concreta de um servo, um servo de Deus e do homem que sofre a paixão. É o grande Paciente da dor humana”, disse aos católicos.   

Francisco propôs uma reflexão para os fiéis, em que diz que nesse momento de “festa ao nosso Rei”, é um momento para pensar “nos sofrimentos que ele deverá sofrer nesta semana, pensem nas calúnias, os ultrajes, as traições, o abandono… enfim, pensem na via crucis e na crucificação”.   

Prosseguindo em seu pensamento, o Pontífice ainda fez uma analogia daquele período com os tempos atuais.   

“É esse Jesus, que aceita ser celebrado, mas sabendo que será crucificado. Ele não pede para contemplá-lo só em quadros ou nas fotografias – ou ainda nos vídeos que circulam pela rede.   

Não, ele está presente em tantos dos nossos irmãos e irmãs que hoje, hoje sofrem como ele. Sofrem pelo trabalho escravo, sofrem por dramas familiares, por doenças. Sofrem pela guerra e pelo terrorismo, pelos interesses que movem as armas e os atingem.   

Homens e mulheres enganados e violados em sua dignidade”, finalizou.

AddThis Social Bookmark Button