HISTÓRIA: Após 15 séculos, é reaberto o "Teatro Marcelo", um imponente monumento da Roma Imperial PDF Imprimir E-mail

O Teatro de Marcelo, um imponente monumento da Roma Imperial construído no século I a.C., sobrevivendo a muitas vicissitudes ao longo dos séculos, será reaberto pela primeira vez em 1.500 anos.

Iniciado por Júlio César e concluído pelo seu sucessor Augusto no ano 17 a.C., o teatro tem o nome do sobrinho e genro do primeiro imperador romano, Marco Claudio Marcelo, que foi nomeado seu sucessor antes de morrer aos 19 anos no ano 23 a.C.

Restaurado pelos imperadores Vespasiano (século I) e Alexandre Severo (século III), o teatro tinha uma capacidade para 15-20 mil espectadores e esteve ativo até o século IV, quando o Império estava em declínio, embora ainda tivesse 100 anos de vida pela frente.

Durante a Idade Média foi convertido em uma fortaleza com vista para o rio Tibre, até que no século XVI Baldassarre Peruzzi deu-lhe sua aparência atual, construindo sobre as duas fileiras de arcadas sobreviventes aos séculos um edifício para a família Savelli, que dois séculos mais tarde o vendeu para os Orsini.

Neste palácio, que se destaca como um mirante no gueto judeu, viveu por muitos anos o violinista e maestro argentino Alberto Lysy, que morreu em 2009 em Lausanne, na Suíça.

Entre 1926 e 1932, o Estado italiano comprou o que restava do teatro, que ainda domina a paisagem da colina romana do Capitólio, e o restaurou duas vezes, mas sem abri-lo ao público.

Hoje, com mais de oito décadas de distância, o Teatro de Marcelo será acessível para romanos e turistas.

AddThis Social Bookmark Button