Distúrbios alimentares afetam cerca de três milhões de italianos PDF Imprimir E-mail

Estudo diz que distúrbios alimentares afetam cerca de três milhões de italianos Os distúrbios de alimentação, como anorexia e bulimia, atingem cerca de três milhões de italianos. Segundo a Sociedade Italiana de Pediatria (SIP), os problemas geralmente começam a se desenvolver em crianças, na faixa de oito a 10 anos de idade, mas os sintomas podem ficar escondidos por décadas. Dez mil adolescentes italianos avaliados, 28% se veem acima do peso adequado.

 

Os dados são de diversos exames médicos realizados pela SIP, no entanto, apenas 11,7% realmente apresentam sinais de obesidade. A imagem destorcida da própria aparência, a dificuldade em se relacionar com as pessoas e o sonho do corpo perfeito são algumas das bases deste problema.

Pensando nisso, jovens que tiveram anorexia ou bulimia, juntos de seus familiares e profissionais da saúde, criaram o Dia Mundial dos Distúrbios Alimentares. A iniciativa foi promovida pela Academy of Eating Disorders.

Diversos eventos estão programados para acontecer ao longo do dia nos vários países do mundo que aderiram à causa. Na Itália, por exemplo a Universidade “La Sapienza” de Roma promoverá uma conferência no Museu de Arte Clássica, que contará com a presença do reitor universitário Eugenio Gaudio, do presidente da Sociedade Italiana de Endocrinologia, Andrea Lenzi, e do diretor do Departamento de Medicina Experimental, Alberto Faggioni.   


Neste ano, a Associação Nacional dos Distúrbios de Comportamento Alimentar (ConsultaNoi), divulgou uma lista com nove fatos sobre a doença, a fim de sensibilizar instituições e incentivar mais profissionais da saúde a participarem do evento. Além disso, está promovendo uma campanha nas redes sociais usando as hashtags #WedoActTogether e #WorldEatingDisordersDay.   


– Confira as “9 verdades sobre os distúrbios alimentares”, segundo a ConsultaNoi:

1 – Muitas pessoas com distúrbios alimentares parecem saudáveis, mas elas podem estar extremamente doentes; 2 – Famílias não devem ser culpadas, e podem ser os melhores aliados durante o tratamento; 3 – Um distúrbio alimentar pode ser diagnosticado por meio de crises de saúde que prejudicam a vida pessoal e familiar; 4 – Distúrbios alimentares não são escolhas, mas doenças sérias biologicamente influenciadas; 5 – Distúrbios alimentares afetam pessoas de todos os gêneros, idades, raças, etnias, pesos, orientações sexuais e classes sociais; 6 – Distúrbios alimentares carregam um grande risco de complicações médicas e até suicídio; 7 – A relação entre genes e ambientes tem papel iimportante no desenvolvimento de distúrbios alimentares; 8 – Não é possível prever, apenas por meio da genética, quem irá desenvolver distúrbios alimentares; 9 – É possível se recuperar completamente de um distúrbio alimentar. Intevenções e diagnósticos rápidos são importantes.  

 

AddThis Social Bookmark Button