DRA. MARIA GRACE RUIZ: "Síndrome do Pânico" atinge mais de 10% dos italianos PDF Imprimir E-mail
Pãnico atinge mais 10% dos italianosEstudo realizado por pesquisadores italianos, constatou que o transtorno do pânico ou síndrome do pânico atinge mais de 10% da população italiana. É uma condição mental que faz com que o indivíduo tenha ataques de pânico esporádicos, intensos e muitas vezes recorrentes. Pode ser controlado com medicação e psicoterapia. É importante ressaltar que um ataque de pânico pode não constituir doença (se isolado) ou ser secundário a outro transtorno mental.


"QUE TRANSTORNO É ESSE QUE DEIXA O PACIÊNTE COM MEDO DE TUDO"

De repente o coração dispara.O peito aperta,as mãos transpiram e os braços começam a formigar.A cabeça gira e parece que tudo treme por dentro.Como se não bastasse,o ar some e é necessário respirar mas rápido para não se sufocar. Parece que a morte está chegando.Se ao menos desse para sair correndo ou,quem sabe,segurar a mão de alguém...Impossível controlar a avalanche de Sensações,o imenso pavor.A cena acima é uma típica crise de Síndrome de Pânico.

"ESSE DISTURBIO DE ANSIEDADE ATINGE 3% DA POLULAÇÃO MUNDIAL"

Ocorre um Medo desproporcional.A Síndrome é caracterizada pela repetição de crises que surgem aparentemente sem motivo,chegam ao pico em 10 minutos e duram cerca de 40.Vive-se um Medo desproporcional.A pessoa pode até pensar que está tendo um infarto e correr ao pronto-Socorro,mas será liberado pelos médicos por estar bem clinicamente.Seu problema é outro"A cabeça tira conclusões erradas".

"PESSOAS QUE SOFREM DESSE TRANSTORNO TEM ROTINA LIMITADA"

As conseqüências são terríveis. Há sempre o temor de uma nova crise e o indivíduo passa a evitar situações que acredita desencadear o problema.Cerca de dois terços dos pacientes desenvolvem agorafobia,medo de locais públicos. Receiam passar mal e não encontrar socorro.O Transtorno de Pânico não é privilegio da vida moderna. Já teve vários nomes,como síndrome do coração do soldado,por causa da guerra civil Americana (1861-1865 ),em que surgiram alguns casos. O médico austríaco Sigmund Freud a enquadrou na neurose da angústia.Só nos anos 80 a doença teve o diagnóstico bem definido. Fatores biológicos, genéticos, ambientais e psicológicos, mesclam-se durante o ataque. Sabe-se que há problemas com certos neurotransmissores,porque as crises melhoram com drogas capazes de regulá-los. Os mecanismos acionados pelo cérebro,porém,são poucos conhecidos.Estudos indicam que existem de 17% a 35% de fatores genéticos."Herda-se a vunerabilidade",conta o psiquitra Dr.Francisco Lotufo-Neto,da Faculdade de Medicina da Usp.É ai que entram o estresse e a dificuldade para resolver problemas.

"TRATAMENTO"

Medicação passada por um especialista,terapia comportamental,relaxamento autógeno,psicoterapia e psicanálise. Seja qual for o caminho,o importante é saber que existem saídas."É possível encontrar ajuda e ser feliz".Para o psiquitra e psicanalista Dr.Osvaldo Ferreira Leite,do Hospital das Clínicas de São Paulo,"é importante não dispensar uma investigação psicológica,além dos outros tipos de tratamentos".

"CONHEÇA OS SINTOMAS"

Os sinais de Pânicos podem ser confundidos com hipertireoidismo,asma,diabete,epilepsia,dependência de drogas,alterações cardíacas e alcoolismo.Por essa razão se faz necessário ir ao médico clínico geral para descartar essas doenças,pois só quando esses males são excluídos é que se começa a pensa pra valer na hipótese da síndrome.O fato de alguém entrar em pânico não significa que tenha o distúrbio. Afinal,10% da população está sujeita a ter uma crise ou outra de terror algum dia. O que caracteriza a doença,porém,é enfrentar mais de três ataques por mês. Além disso, é preciso sentir pelo menos quatro dos seguintes sintomas: falta de ar,tonturas,tremores,palpitação,sudorese,náusea,formigamento,despersonalização (sensação de deixar o corpo),ondas de calor ou frio,desrealização ( tudo parece um filme ),medo de enlouquecer ou de morrer e urgência de ir ao banheiro.

"COMO AMENIZAR OS ATAQUES"

É possível amenizar os ataques de medo. Deve-se pensar que o desconforto vai passar e fazer respiração abdominal,mais profunda e demorada,para evitar tonturas,tremor e formigamento.O ideal é treinar os movimentos em casa,deitado e com um livro sobre a barriga.Uma boa Dica é: Procurar mudar o estilo de vida,deixando o estresse e a preocupação para trás,e ser mais flexível consigo e com os outros.

Muita calma e boa sorte a todos!

Comentários e sugestões deste assunto envie através do email: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

Dra. Maria Grace Ruiz é psicanalista, psicóloga clínica, professora, palestrante, radialista e presidente do IMEPSICO.

AddThis Social Bookmark Button